Queres comer?














 A questão é tudo menos simples. Quando ir a um restaurante? Que dia da semana escolher? O mito de nunca pedir peixe à segunda-feira é fundamentado? Problemas que este artigo do guardian analisa. Afinal, todos gostamos duma experiência gastronómica decente o suficiente para nos fazer recordar aquele lugar, e eles o que querem é que nós voltemos o mais depressa possível. É a relação chef/cliente, que é cada vez mais reforçada pela ideia de uma cozinha pensada, idealizada para destacar produtos frescos. Como é que se pode garantir a frescura? O artigo, na sua dissertação pueril, muito focada e franca, sobre como Anthony Bordain, sim, aquele chef que aparece sempre nas situações mais caricatas, a comer pratos incríveis, de rua, ou de cozinhas e cozinheiros com uma dedicação que, por vezes, fere a sensibilidade de quem desconhece o conceito de comer com gosto. Leitura obrigatória, para se perceber afinal se os chef’s gostam ou não dos clientes, ou se querem apenas o dinheiro deles, e se gostam ou não de trabalhar à Sexta-feira à noite, ao Sábado aos almoços e ao jantar, e ao Domingo de manhã, naqueles Brunchs tomados a horas tardias, porque é o acordar sossegado que esses dias de repouso evocam.