Torta de laranja especial









Esta é uma das épocas ideais para colher laranjas. Quanto mais tarde se colhe, mais doces ficam, e foi o caso deste ano. As laranjas que originaram esta torta tinham esse ‘peso’ da colheita tardia, para além de serem lá da casa, daquela que agora está sem ninguém, que também confeccionava umas tortas de laranja imperdíveis. Fica a memória, e o produto da terra em amplo crescimento para ser colhido em tempo. Esta torta de laranja tem, por essa razão, muito que se lhe diga. Envolve uma espécie de capacidade de entrosamento com o forno, porque a feitura é simples e exige apenas alguma concentração, e dedicação extrema para a retirar do dito, e colocá-la sob a forma que se pretende. Isto é que é difícil. A fotografia não faz juz ao sabor, é certo, e a torta parece um pouco ‘rachada’. Na verdade, está no ponto de sabor certo, imbatível, com aquela liquidez, bastante amolecida por uma consistência sublime, e um sabor tão preponderante a laranja que parece estarmos no meio do laranjal à procura dos melhores frutos para colocar no cesto. É uma receita que poderá ser reformulada, mas para já parece-me muito bem. Uma consistência elevada. Um sabor ideal. Fica o que foi obtido. Alterações relevantes divulgar-se-ão em tempo.
Torta de laranja

8 Ovos
1 Copo de Sumo de Laranja acabado de espremer
500 g de Açúcar
2 e 1/2 colheres de sopa farinha Maizena
Raspa de 2 Laranjas
Sumo das mesmas 2 Laranjas para desfazer a farinha a frio
Açúcar pilé (ou branco, em pó)
120 g de Manteiga derretida

1. Untar um tabuleiro de ir ao forno com margarina, forrar com papel vegetal e voltar a untar com margarina. Salpicar com açúcar até preencher toda a película.

2. Misturar (não bater) os ovos com o açúcar. Derreter a manteiga em banho-maria. Misturar a Maizena com o sumo de laranja, filtrando o preparado obtido para não que não fique nenhum grumo. Depois, juntar este preparado ao ovos e açúcar, sempre sem bater, até ficar bem homogéneo. Por fim, juntar o sumo e a raspa de laranja, e a manteiga derretida, até obter um preparado bem homogéneo. Verter sobre o tabuleiro e levar ao forno (brando, 190 graus), para cozer durante uma hora.

3.Desenformar uma torta de laranja é uma arte. É conveniente fazê-lo ou assim que se retira a mesma do forno, enquanto não arrefece completamente. Depois de retirado o tabuleiro, deve-se preparar um pano salpicado com açúcar. Em alternativa, pode usar-se papel de alumínio, duas folhas coladas com fita-cola no exterior, e o interior untado com margarina e salpicado de açúcar. Depois, e se usado o papel de alumínio, agarra-se o papel ao tabuleiro nas extremidades, vira-se rapidamente, retira-se o tabuleiro e o papel de vegetal, cuidadosamente, para não partir a torta. A seguir começa-se a enrolar a massa que dará origem à torta de laranja, virando uma distância de massa que impeça a sua partição. Por fim, mesmo, salpicar a dita com açúcar em pó (branco), servir mais fria que morna, com natas batidas.