A oportunidade













Nesta crítica fundada, o que importa é a agricultura. Afinal, de que é feito o território português? Jack Soifer, um especialista, com competências várias no âmbito da consultoria dedicada ao tema da agricultura, da produção, do ecoturismo e desenvolvimento sustentável, isto para resumir muito, responde, num tratado sobre a arte de tratar a terra. É preciso agradecer a Jack Soifer por ter tanto carinho pela agricultura portuguesa. Do ponto de vista da edição, seria bom ver este livro lançado com carácter de urgência por uma editora mainstream, porque o seu conteúdo é relevante e fundamental para se perceberem os pressupostos em que se tem desenvolvido a ligação da população, ou o desligamento, à terra que ainda permanece em pousio. Em poucas palavras, é uma crítica feroz à incapacidade dos agentes envolvidos na distribuição e venda, em conseguirem lutar para implementar práticas que valorizem e defendam a agricultura e não o mero lucro injusto feito à mercê de práticas questionáveis. É fornecida bastante informação estatística, e outra, que fundamenta e explicita quais as culturais mais importantes e menos relevantes, que analisa os motivos de se ter chegado ao momento do desfasamento entre a necessidade e os recursos disponíveis, o que determina a importação de produtos estrangeiros a preços elevados, e custos superiores para a população, entre outras reflexões, sugestões coerentes sobre como transformar as características do solo, do terreno, do perímetro que define o que é luso, numa mais-valia para quem cá vive, e de como a agricultura pode ser uma profissão extenuante, é certo, só que belíssima e fundamental para o ordenamento do território e para a consolidação da paisagem. Motivos bastantes, sendo a leitura rápida e as explicações sucintas. Em momento nenhum redundantes. Desde a exposição do ‘dumping’, a formação dos cartéis de distribuidores e vendedores que colocam produtos no mercado a preços combinados, até os efeitos económicos devastadores destes hábitos, há de tudo um pouco, numa avaliação que é conveniente recuperar a todo o instante, isto porque boa parte das pessoas desconhece os efeitos de ir sucessivamente ao supermercado, ou de permitir-se que a coreografia gráfica da publicidade apresentada em grandes superfícies, que chega a roçar o ruído visual, leve a melhor quando é chegado o momento de abastecer a dispensa. Se quiser saber como a actividade rural pode ser um ‘cluster’ em progresso, dedique-se à leitura deste tratado sobre como ser agricultor. O autor aceita pedidos de encomendas, uma vez que a edição é quase uma relíquia, aparece em poucas livrarias. Se conseguir encontrar numa delas, melhor. Para mais informações, visite o sítio www.jacksoifer.org. Boas leituras e, já agora, bom trabalho, que é o que certamente fará depois de se sentir extremamente motivado a cavar com a leitura desta publicação.
Título: Portugal Rural
Autor: Jack Soifer (com Jorge Santos, Sílvia Chambel, Armindo J. Palma, Catarina Gonçalves
Editora: Soifer Editor
Classificaçação: 5 estrelas
Prós: A abordagem, as análises, a franqueza e rigor do enquadramento narrativo
Contras: Não tem