O espelho da História




Entendamos o que foi o Holocausto. É isso que aqui importa, com o rigor que Esther Mucznik costuma aplicar nas suas análises. E do que se trata? Dos judeus, de origem e ascendência portuguesa, espalhados pelo mundo, e nem por isso escondidos das atrocidades cometidas pelo regime fascista, e alemão. Fuhrer dixit. Aliás, a partir de certa época, nada a fazer, estavam expostos, e o número de milhões diminuiu para centenas de milhares. Portanto, cada uma das histórias que se contam, e são muitas, remete para esse universo atroz. Primeiro o espanto, depois a indignação, depois a tomada de consciência da atrocidade perpetuada. Exemplo: a perda de direitos, como de sair à rua livremente, a obrigação de fazer compras a certas horas, em certos lugares. E, posteriormente, a fuga, a fuga para preservar a vida, deixando tudo para trás, menos a pele, e às vezes por um fio. Foi assim com os judeus em Amesterdão, e com a extinção emergente do povo judeu, um pouco redundante, porque eficaz, dessa massa de gente, em toda a Europa (França, Hungria, Áustria, Alemanha, Holanda). Ficamos a conhecer melhor os protagonistas, os portugueses, com relatos de compadrio entre Salazar e os seus pares ministros, para nunca assumirem a responsabilidade por aqueles que, a dado momento, queriam fugir com vistos portugueses autorizados que, até determinado momento, foram passados sem grande critério por boa parte das dependências diplomáticas fora de Portugal. Quando a dependência da vida fica tangencialmente relacionada com manifestações de maldade, então temos todos os ingredientes para reler como se fosse a primeira vez, este conjunto de memórias de famílias e intervenientes directos, e indirectos, no esforço da exterminação judaica, e mesmo assim, na preservação de muitas vidas, como os que ficaram em solo luso, sem terem sido deportados. Outros pormenores dizem bastante da relutância ditatorial. Salazar decretou um luto nacional de três dias depois da morte de Hitler. Todo o volume é escrito com esta acutilância reveladora, que reflecte apenas o que aconteceu, nada mais, levantando uma parte da névoa.

Título: Portugueses no Holocausto
Autor: Esther Mucznik
Editora: Esfera dos Livros
Preço: €22,50
Classificação: 5 estrelas

Prós: A força dos detalhes, numa narrativa desprendida e eficaz; as incursões a título pessoal, que dão uma maior credibilidade à descrição
Contras: Não tem