Um cozinheiro sério
























Nigel Slater escreve regularmente, há 20 anos, no The Observer – nome dado à edição de domingo do jornal londrino The Guardian. Apresenta-se como cozinheiro. Nada de autoproclamar-se chef, porque nunca teve uma cozinha de um restaurante para gerir, e prefere a ideia de ser apenas ‘cozinheiro’. Embora o seu percurso profissional esteja intimamente ligado à divulgação da gastronomia, e seja especialmente longo, concebido em meios diversos como na TV (BBC1 e BBC4), pela publicação de diversos livros que se tornaram best-sellers, e que contribuíram para a sua reputação de foodie. A edição de “Real Cooking” é de 1999, deriva de um desses programas de televisão, revela um cuidado gráfico extremo, e propõe aos leitores uma ‘viagem’ por um tipo de ‘cozinha de conforto’, isto é, com base na elaboração de receitas com uma forte conotação ancestral. Apresentadas de uma maneira eloquente, com pequenos textos de entrada e contextualização – vide o texto sobre a confecção do pato, ou sobre feijões (‘beans’). Para além da Polenta, Saladas, ao tratamento dado aos Tomates, com queijos, sós, passando pela consecução da inevitável Perna de Borrego assada com alho e rosmaninho, com batatas assadas nos sucos provenientes da dita carne. O frango também tem direito a incursão, tal como o grão. Vegetais, carne, peixes, a variedade é concebida numa ordem de receituário que combina ingredientes belissimamente fotografados, o que apenas faz apetecer querer abrir o livro, e ir experimentando cada uma das sugestões, com o tempo e a dedicação que cada uma merece.


















Título: Real Cooking
Autor: Nigel Slater
Editora: Penguin Books
Preço: €27
Classificação: 5 estrelas

Prós: O design gráfico, a fotografia, que qualificam sobremaneira a edição; o conteúdo é real, isto é, verifica-se a cada experimentação.

Contras: Não tem