ÍNDIA

Estas letras e linhas sinuosas
que no papel se enlaçam e separam
sobre a palma de uma mão:
são a Índia?
E a pata de metal leonado
- forjado pelo sol, esfriado pela lua -
sua garra que oprime uma dura bola de vidro
e a esfera iridiscente
onde ardem e brilham os milhares de velas
que, cada noite, os devotos
lançam a navegar por lagos e por rios:
são uma profecia, uma adivinha,
a lembrança de um encontro,
os signos dispersos de um destino?

- São o ceptro do acaso.
Deixou-o, ao pé da árvore do tempo,
o rei deste mundo.

[Poema incluso num pequeno e maravilhoso livro, Figuras e Figurações, de Octávio Paz e Marie José Paz, que o ilustrou com colagens dentro de caixas, da Assírio & Alvim]

0 comentários:

 

Quantcast