Estranhos silêncios

O livro, o silêncio dos livros, da sua leitura, as imagens a correr de um lado para o outro, imagns que ilustram esses silêncios e outros períodos, povoados de gritos, de dores, de felicidades, de amor. O que são as páginas? Lugares de encontro, de busca, lugares de expiação e expansão, de reavaliação, lugares onde procuramos encontrar uma melodia incontornável para cada silêncio. Páginas lugares que contêm melodias, páginas que iludem o leitor e o deitam por terra, páginas que contêm riscos sinceros ou meros exercícios, espaços de permanência ou longa cura, de obscura correcção e ponderação, lugares para onde se corre ou de onde se foge. vazios e cheios considerados os seus limites, o seu corpo, a estrutura, oferecendo leituras transversais e consequências, apenas espaços de espera, preenchidos por justa-(o)posições de alvoroço despertado, de conteúdos ocorridos como símbolos onde se procura encontrar o lado, um dos lados, de um significado. [Ruben P. Ferreira]

0 comentários:

 

Quantcast