Ainda Joana Morais Varela

Até agora, a «consternação» de que Eduardo Pitta tem feito alarde no seu blogue, sobre o afastamento de Joana Morais Varela da Direcção da Colóquio/Letras, surtiu o efeito de muitas pessoas terem manifestado a sua discordância dessa decisão. Julgo que isso é manifestamente redutor. O efeito é fraco, e é fraco porque é redundante. Porque é apenas mais um 'protesto' -- ou 'discordância' -- que ficará encerrado nas páginas virtuais da blogosfera -- embora referido nos jornais. Gostava de ver a consternação manifesta nas ruas, por exemplo, apreciaria muito que todos, artistas plásticos, escritores, críticos literários, arquitectos, engenheiros, poetas, professores univesitários, todos, sem excepção, dedicassem do seu tempo à iniciativa e realizassem um verdadeiro protesto contra aquela decisão e outras anteriores, no fundo, contra a política de descaso e roubo de um legado construído durante décadas e que tem sido tão bem delapidado. Podiam, por simpatia, criar uma obra de arte contemporânea, já por si efémera, para obviar à causa, e expô-la à porta da instituição. Isto é uma ideia, mas outras serviriam o propósito, desde que marcantes. Podiam pensar numa iniciativa verdadeiramente interessante e definitiva, que em vez de comprovar que a «consternação» é estéril, tivesse o efeito de produzir alguma conclusão que revertesse a favor da pessoa visada e da razão porque enviaram o email e manifestaram o apoio publicamente. [Ruben P. Ferreira]

 

Quantcast