Estar lá


Os paradigmas sobre o que pode e deve ser considerado «arte» estão a alterar-se constantemente. A «performance» é cada vez mais 'arte', que exige a presença a quem quer ver a obra. Com a diferença de que o objecto perde uma parte do seu valor de troca, porque deixa de se formar como obra de arte contemplativa para se ter em casa, para ser substituído pela exclusividade da apresentação da proposta artística. Proposta reforçada pelo seu lado efémero, pois cada apresentação é única. Como tudo, os pressupostos que definem a arte contemporânea, a arte em geral, são discutíveis. Um ponto da situação, aqui.

 

Quantcast