Ai, a amargura



Segundo este estudo, a amargura -- azedume, dissabor, aflição, angústia -- tem a dimensão psicológica de uma verdadeira doença. Será caso para tanto? Independentemente das configurações psíquicas, quando se falha uma oportunidade de golo, quando um professor dá uma nota péssima -- e da amargura se passa à vontade incrível de provocar um terramoto que inclua um buraco gigantesco onde ele, vá, tropeçe --, quando o dinheiro na conta escasseia, bem, quando uma destas coisas sucede, o «sistema» interno acusa o toque. Fica preso por aquilo de que parece querer libertar-se. Percebam-se os fundamentos teóricos sobre a maleita e relaxe-se um pouco. Começou a silly season. É tempo de: ler romances de cordel, barafustar com quem provoca trânsito que atrasa a chegada à praia, de deixar de ter preocupações 'formais' e de viver. É tempo de ir de férias para poder ler as páginas «leves» dos jornais diários.

 

Quantcast