Porto de abrigo


«Bill Cosey é o rico proprietário do único hotel decente do Up Beach, nas East Cost dos EUA, onde os negros trabalham, divertem-se, e congeminam com ou sem brancos. Isto, nos anos 20. A casa de Oceanside, junto ao hotel, é o palco de “Love” (2003), que tem como temas principais a questão racial e o amor (e sexo), que floresce em géneros diversos, por vezes, subversivos. Delicados jogos de poder que sucedem num lugar onde os negros podiam passar férias descansados, sem arriscar levarem um balázio de um dos membros do Ku Klux Klan. Na suave e subtil ascendência de um grupo de mulheres a uma vida com liberdade – caso de Junior, que leva às costas uma acção narrativa marcada pela morte. Julia, mulher de Cosey, o filho, Billy Boy, morrem. May, a mulher, tem de procurar um lugar na família e estranha a escolha nupcial do sogro, realizada anos mais tarde. Heed, uma menina de onze anos, empregada da casa, herda a fortuna amealhada e isto provoca uma rivalidade mortífera com Christine, que nunca perdoará ao avô. O romance balança neste limbo persecutório de paixões animais e traições baseadas na fuga de núcleos familiares opressores. Morrison é norte-americana, foi Nobilizada em 1993, e recentemente escolhida para constar da lista de 20 autoras candidatas ao Orange Prize for Fiction 2009, por “A Mercy” (2009).
Título: Love
Autor: Toni Morrison
Tradução: Maria João Freire de Andrade
Editora:
Dom Quixote
Preço: €14
Classificação: 4

Prós: Escrita fluida; variação de tempos cronológicos da acção; densidade narrativa; temas
Contras: Uso da palavra «tipo» como se tivesse relevância literária»
[texto publicado no nº 75 (Maio de 2009) da Revista Os Meus Livros]

 

Quantcast