Psicologia da reacção


A dado momento desta entrevista ao Times, Gore Vidal, um homem vivido, um escritor, confessa, com a voz apertada por uma força interior elementar: «One thing I have hated all my life are LIARS.» Tem graça, isto, porque os mentirosos têm ultimamente empregue a mentira como se se lhe pudesse ser atribuído um valor tão absoluto que, por distracção ou engano, até podia ser confundido com a verdade. E, através deste recurso estratégico fundado no poder da relatividade, ou seja, na atribuição aos outros de palavras e ideias que eles não tiveram nem proferiram, concebem-se planos para dissimular a mentira com uma verdade previamente estabelecida e construída, manifestamente irreal, mas jeitosamente mentirosa, porque servindo um determinado interesse e propósito, é apresentada com o estatuto e a intransigência do que é genuíno.
Tem graça, porque Edgar Morin, outro escritor, também pensou sobre o assunto em O Método VI. - Ética (Europa-América, Biblioteca Universitária), nomeando a falta de respeito pelos outros -- porque exposta pela mentira, pela ausência de verdade (ocultação) e pela tentativa de advertência ao outro baseada em factos irreais --, como uma forma demonstrada de hostilidade e falta de cortesia. Resumindo, desses gestos/atitudes/escolhas que procuram confundir, resultam os «destroços da incivilidade». Típicos de quem é ignorante, estúpido e cego. Típicos de quem é «tolo».
A propósito, é essencial reproduzir este parágrafo sobre o assunto: «São, pois, inúmeras as fontes de cegueira: a cegueira sobre si mesmo e sobre os outros, fenómeno geral do quotidiano, a cegueira proveniente da marca cultural sobre os espíritos, a cegueira resultante de uma convicção fanática, (...), mitos, ideias, a cegueira resultante da redução e da disjunção, a cegueira da indiferença e a cegueira do ódio ou do desprezo, a cegueira antropológica proveniente da demência humana, a cegueira proveniente de um excesso de racionalização ou de abstracção, cegueiras que ignoram a compreensão subjectiva. A cegueira por desconhecimento da complexidade...» A cegueira por burrice e desrespeito pela vontade dos outros. Por demência e apropriação indevida.
Contudo, os cegos nem sempre são cegos. Pelo contrário, a cegueira de que padecem é ela própria uma extrapolação da sua falta de virtude, do seu inner false circle. Fingem possuir um determinado tipo de cegueira para assim disfarçarem sem pudor a capacidade de apenas zelarem pelos seus interesses e daqueles com quem mais privam. Felizmente, não sou o único a detestar esta espécie tão 'moderna' de mentira e, por sua vez, os que a proferem. Isso consola-me e acaba por tranquilizar-me. Dá-me até vontade de rir. Aliás, tenho para mim esta máxima: 'apanha-se mais depressa um mentiroso que um coxo'.

 

Quantcast