O tom da nostalgia

São inúmeras pessoas que perderam o pio em 2009. Onde, senão no NY Times? Assim dito, pode parecer que 'perder o pio', finar, falecer, ir desta para melhor, é uma coisa gira. Não é. É o fim. Kaput. Acaba-se a boa vida, a vida razoável, a vida desgraçada, a vida, enfim, termina. Pouco fica para fazer. O corpo já não ajuda. Apesar de tudo, são textos com o tom apropriado. Histórias resumidas de pessoas importantes porque, bem ou mal, viveram. Não é esse o motivo principal para se querer contar como foi uma vida?

 

Quantcast