Bi-bip



















Tecnologicamente falando, a minha aderência às redes sociais é recente. Aprecio, embora seja exaustivo ter alguma coisa interessante para dizer ao mundo de duas em duas horas, ou menos. Uff. Ter uma vida muito interessante do ponto de vista logístico e não-logístico, do que se faz e deixa de fazer, reforça a paródia. A tecnologia amplia-a, é mesmo isso, uma força que move, complementando as partes. Agora consulto emails no telefone, o facebook, o twitter, a qualquer instante, como se estivesse ligado à ‘rede’ (matrix), e a velocidade a que correspondo (correspondemos) às solicitações diferencia os bons dos razoáveis, dos especialistas. Os mais adaptados, os menos adaptados, que se escudam numa vida mais reservada do ponto de vista laboral. Compreendo. A força tem de ser dominada. Neste momento, por exemplo, ando a ponderar se instalo uma aplicação no telefone, que vai permitir a sincronização de todas as minhas caixas de email em simultâneo. Uhhh. Apagar todas as caixas de email, instalar o software, voltar a configurar tudo, esperar que corra bem, envolve trabalho. Há sempre algum percalço. Entretanto, passou uma tarde. Estamos todos especialistas em instalações, programas, metodologias de configuração, e afins. A tecnologia tomou conta do mundo a favor de uma melhora das condições de vida. Se por um lado isso é verdade, fazem-se hoje coisas impensáveis há duas décadas, pode dizer-se que essa força automatizou alguns comportamentos. O equilíbrio é cada vez mais necessário, e cada vez mais difícil de se obter. (alerta de vibração) R2D2 is now following you on twitter.

 

Quantcast