São lágrimas
















Os odres são usados pelos tuaregues como recipientes para colocar água, óleo, vinho ou manteiga. O que é um odre? A definição: vasilha para líquidos feita da pele de certos animais. Os povos nómadas usam odres, a pele inteira de um cabrito, ou de uma ovelha, para atravessarem desertos áridos. Por exemplo, o odre permite guardar água a uma temperatura baixa, essencial para quem vive, ou passa, por lugares onde predominam temperaturas elevadas. O odre é referido na Bíblia, nos Salmos (56:8), numa analogia ao rei Davi, de Israel, que podia ver as suas aflições, e lágrimas, como que recolhidas no odre Supremo, porque Deus entendia as suas aflições, e hoje também entende as nossas. Conclui-se que o sentido figurado da ilustração mantém a sua actualidade. Aliás, ontem, o odre divino recolheu a dor de mais ou menos seis milhões de pessoas, que viram o Benfica ser eliminado pelo Sporting de Braga da Liga Europa. Quer dizer, em momentos anteriores, o recolhimento já tinha sido bastante amplo, com a perda do Campeonato para o Porto, que ficou a uma distância inalcançável, a perda da Taça, provavelmente, para o Porto, e agora a final da Liga Europa, quase de certeza, idem aspas, para o Porto. É melhor nem referir o troféu alcançado na Taça da Liga. De facto, o sofrimento só é comparável ao tido pelos excelentes adeptos do clube Sporting, que teve uma prestação medíocre este ano, habituados que estão a ver o seu sofrimento recluso. É um consolo saber que existe alguém com compaixão suficiente pelo ser terreno para sepultar tanta lágrima, embora esta assumpção, no que diz respeito ao Benfica, envolva uma aflição, e uma dimensão, que atormenta. É que todos aqueles que delimitam para si uma espécie de gosto por aquele clube, os adeptos, choraram de tal maneira nas últimas semanas, que se o odre divino não fosse eternamente grandioso, poderíamos estar neste momento a assistir a uma das maiores inundações da década.

 

Quantcast