Do frio, com sabor











Nuno Cancela de Abreu é o enólogo por detrás deste vinho. Conhecido no meio por recentrar a marca Bucelas, e por ter direcionado a Quinta da Alorna, volta às origens, digamos assim, para fazer o mesmo com a propriedade de família, projecto a que foi dado o nome Boas Quintas. Duas vinhas em Mortágua, outra em Nelas, originam este Quinta das Giesta 2009, dum ano excelente, e que aqui se revela plenamente.
Deve ser dos ares gélidos da Serra da Estrela, certamente que sim, e da terra. Solo com pedregulhos, é mesmo assim, muito granito (e argila), e uma ‘contaminação’ boa de oliveira. Isto porque, à abertura de garrafa, só azeite se destaca como elemento condutor. Um ‘fio’ nascente, com uma mineralidade crescente, uma rolha impregnada, e ao fim de um minuto, as notas vegetais a palha manifestam-se, tal como traços de fumado e brasas acesas, que entretanto desanuviam.

Depois, primeira inspiração, e os taninos equilibrados começam a notar-se, com um aroma delicado a fruto e uma cor intensa, que se transpõe nalguma acidez, sem excessos ou pronunciamentos mínimos, com muita amora a liderar a impressão, num equilíbrio que poderá garantir uma apropriação relevante. A baixa acidez vai confirmar-se, a estrutura densa revelar-se, com o sabor a ser liderado por um amargor em nota média.
Que se manifesta sobretudo no final. De início, os frutos vermelhos sem a intensidade dada por uma Alicante, complementado pela acidez que ressurge na boca, como no nariz, e que desaparece rapidamente. O ‘ataque’ à boca é, por essa razão, essencialmente vegetal, com uma conotação límpida e aquosa, de amora que se transforma em ginja. Touriga Nacional, Tinta Roriz e Jaen, estão neste vinho em pleno, cada uma selecionada para destacar características muito próprias, que o parâmetro da prova confirma em cada parcela.

O violáceo da cor, granado escuro, a espessura e densidades de um patamar que impregna a boca, foi conhecido no copo, na película que escorre devagar. Pouco a pouco, as alterações denotam uma suavidade no trato, para o doce e a compota de frutos encarnados, mais intenso no princípio do que a meio da prova, um doce controlado numa fímbria rosada que contrasta com o amargor que também finaliza. Ou seja, tanto enquadrado correctamente com carnes brancas e vermelhas, com peixes ricos em gordura, como com sobremesas simples, como um bolo ‘tipo’ inglês, sem frutos, com uma calda de licor de laranja. É o vinho da semana.

 

Quantcast